Irã, dezessete mulheres no novo Parlamento: um recorde - Io Donna

Irã, dezessete mulheres no novo Parlamento: um recorde

Na sexta-feira, 29 de abril, os iranianos foram votar no segundo turno das eleições parlamentares. Pela primeira vez desde 2005, conservadores serão forçados a entregar o bastão aos moderados, embora com relutância. No segundo turno (necessário para os candidatos que obtiveram menos de 25% dos votos na primeira rodada de fevereiro), os conservadores receberam menos de um terço de suas preferências. Uma dolorosa derrota. Um sinal de que o povo iraniano apóia o acordo nuclear desejado pelo presidente Rohani, mesmo que ainda não tenha levado a resultados evidentes. Os iranianos também parecem conscientes da necessidade de abrir o país ao investimento estrangeiro para reiniciar a economia.
Dentro de um mês, o novo parlamento será instalado na capital, Teerã, onde os moderados provavelmente terão a maioria necessária para apoiar as reformas do presidente Rohani. Vamos ver os números: os homens próximos ao presidente obtiveram 42% dos votos. Não apenas a maioria, mas um bom número de cadeiras para promover – e promulgar – as reformas necessárias.

Dados interessantes sobre o presença feminina no parlamento da República Islâmica: se na legislatura de saída os deputados eram apenas nove, nas eleições de fevereiro eles foram eleitos, no primeiro turno, treze e para o segundo turno na sexta-feira eles venceram em três. Eles então serão dezessete, um recorde para a República Islâmica. Há boas esperanças de que a próxima legislatura promulgue alguma lei em favor das mulheres, porque nenhuma das forças eleitas em partidos conservadores. Mesmo a idade dos deputados é um bom presságio: metade tem menos de 40 anos. A mais jovem, Zahra Zaidi, vem da província conservadora de Isfahan e colocou k.o. todos os seus dez rivais, homens.

O ativista Masih Alinejad

Dezessete membros são boas notícias, mas ainda não é uma mudança real porque o das mulheres na política ainda é uma pista de obstáculos. No telefone de Nova York, onde ele vive no exílio, o ativista iraniano Masih Alinejad conta o pano de fundo desta eleição que se seguiu de perto. O primeiro caso marcante é o de Mino Khaleghi: "Em fevereiro, ele venceu no primeiro turno, mas o Conselho dos Guardiões o desqualificou, após a vitória eleitoral, porque ele ousou apertar a mão de um homem numa viagem à China. O presidente Rohani certamente não o defendeu ", observa Alinejad.

Outro caso que causa preocupação é o de Parvaneh SalahshourEla também deputado eleito "tinha feito declarações contra o véu, obrigatório na República Islâmica, havia sido tomada pelos líderes (conservadores) da República Islâmica e forçado a negar em público."
Um caso, o de Parvaneh Salahshour, que gosta muito do ativista Masih Alinejad, conhecido por lançar a campanha no Facebook Liberdade Furtiva convidando as mulheres (não apenas o Irã, mas os turistas estrangeiros) para postar em suas fotos páginas com cabelos ao vento, sem o véu "tornado obrigatório na República Islâmica, aiatolá Khomeini no conselho de Hassan Rohani" conta Alinejad citando a autobiografia do atual presidente "moderado".

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars
Loading...
Gosta desse post? Por favor, compartilhe com seus amigos:
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: